Back to the top

Sem categoria

Como aumentar a produtividade em Home Office

Devido à pandemia do novo coronavírus, muitas empresas adotaram o home office. Mas, foi tudo muito rápido e, em alguns casos, sem planejamento. Portanto, muitas empresas e muitos colaboradores aprenderam e estão aprendendo na prática essa nova modalidade de trabalho.

No início da novidade, a primeira coisa a fazer foi arrumar um espaço em casa para trabalhar, explicar para a família, principalmente para os filhos pequenos, que estar em casa não queria dizer férias, então foram estabelecidas regras para que tudo acontecesse da melhor forma.

Os dias foram passando e lá se vão alguns meses em home office. Tem aqueles que gostaram de trabalhar em casa, mas tem aqueles que não veem a hora de voltar para o trabalho.


Por que voltar se é mais seguro em casa?

Conscientemente todos sabemos que é mais seguro, neste momento, trabalhar em casa, mas o nosso cérebro não funciona assim. Segundo a neurocientista Thaís Gameiro, sócia-fundadora da Nêmesis Neurociência Organizacional, em entrevista ao site UOL, o cérebro estranha essa mudança porque desde que acordamos até chegarmos ao local de trabalho 40% das atividades realizadas são inconscientes e autômatas, incluindo escovar os dentes e pegar o transporte.

Quando a rotina muda, o cérebro gasta mais energia porque precisa se concentrar mais nas atividades que antes eram automáticas. Além disso, assimilamos o local em que estamos. Antes, ficar em casa significava descanso, repouso, aproveitar a família, enfim, não era sinônimo de trabalho. Já o local de trabalho, com sua cadeira, mesa, colegas no mesmo ritmo diário, indicava inconscientemente essa relação.

O melhor dessa história é saber que isso pode mudar, basta treinar o cérebro, que é um órgão capaz de produzir novas conexões e fixar hábitos inéditos que irão potencializar o trabalho. Para isso, a neurocientista deu algumas dicas, como manter a mesma rotina, escolher um único espaço da casa para trabalhar, ter a mesa organizada, tirar o pijama, saber a hora de parar, realizar uma tarefa de cada vez, trabalhar com regras e não se isolar.

O que você acha de falarmos sobre cada dica? Perfeito. Vamos lá!

Dicas para aumentar a produtividade em home office

– Manter a mesma rotina de antes: acordar no mesmo horário de quando você saía para trabalhar é o começo. Nada de pensar que pode dormir mais só porque não vai precisar se deslocar. Essa dormidinha a mais pode acabar com o resto do seu dia.

– Monte o seu escritório: escolha um local da casa para ser seu escritório e, se possível, providencie água, cafezinho e até umas bolachinhas para não ter que sair pela casa atrás de mantimentos. Ter esse espaço vai fazer com que você crie o hábito, que é motivado pela repetição.

– Mantenha seu escritório organizado: a desorganização e a bagunça em cima da mesa são prejudiciais para a sua produtividade até mesmo quando você está na empresa. Por isso, para evitar desatenção e esgotamento, nada de papelada rolando de lá para cá.

– Tire o pijama: essa é uma das melhores dicas. Você pode achar legal estar de boa com seu pijama, bem à vontade, mas na verdade está se prejudicando. Lembra que falamos sobre como o cérebro é influenciado inconscientemente pelo ambiente? Então, tire o pijamão, escove os dentes, tome um banho, vista-se e fique em casa, mas preparado para uma possível chamada de vídeo.

– Saiba a hora de parar: “Só mais um pouquinho”. Essa frase pode fazer parte dos seus dias, mas você poderá terminar a semana esgotado com a soma dessas “horinhas” extras. Uma dica para não passar do horário é marcar um compromisso para o final do expediente. Vale um filme com os filhos no sofá.

– Uma coisa de cada vez: tenha foco no que está fazendo. Já foi provado que fazer várias coisas ao mesmo tempo é um mito.  Você até pode ter facilidade para mudar o foco, mas isso prejudica a liberação de dopamina, o que impacta na atenção, e sem a atenção a produtividade será mais um problema na lista de coisas a resolver.

– Tenha algumas regras claras: o mundo está caótico e trabalhar a distância pode ser muito estressante quando aparecem ruídos na comunicação com o chefe e com os colegas. Então, tenha as suas demandas claras e organizadas. Saiba o que é preciso ser feito, como e para quando. Com clareza e empatia, o relacionamento da equipe também ganha e a produtividade só aumenta.

– Seja social, mesmo em isolamento: não se isolar em casa é uma dica muito importante. Muitos da sua equipe estão conectados como você, então aproveite para trocar ideias, falar sobre o dia e também sobre assuntos além do trabalho. Alguns minutinhos de conversa vão melhorar o seu dia e fazer o seu trabalho render mais.


Cuide de você e dos outros

Você também nunca ouviu tanto essa frase, mas a verdade é que precisamos nos cuidar, evitar aglomerações, usar máscara, lavar as mãos e usar álcool em gel. Assim, você estará cuidando de você e das pessoas que estão ao seu redor. Agora é a hora de trabalhar seu cérebro para se adaptar a essas mudanças e manter a mente e o corpo sãos. Falando em mente e corpo sãos, um ótimo assunto para nossa próxima conversa é sobre como manter a mente sã com o caos que estamos vivendo. O que acham? Simmm… é perfeito.

Então, lembrem-se de acompanhar nossos artigos. Você pode ainda sugerir assuntos do seu interesse. Manda aí!

Um abraço e até.

Tempos de fortalecer a confiança

Diante de uma situação de pandemia e possível crise econômica, é preciso fortalecer a confiança da sua equipe. Todos os profissionais devem se questionar sobre o que vai acontecer daqui para frente.

Como ter confiança durante um cenário de muitas incertezas e pouca esperança no futuro? Saiba que o engajamento da sua equipe é a solução para esse questionamento.

Todas as organizações, públicas e privadas, estão dando prioridade à vida. Estão preocupadas com seus colaboradores e em como passar por essa pandemia sem maiores danos.
Para isso, líderes e gestores de todos os níveis estão também se adequando ao novo gerenciamento de suas equipes. Liderar não é tarefa fácil. Traz incertezas, erros e acertos, mas também muitos motivos do que se orgulhar.

Como destacou o presidente do conselho das Lojas Renner, José Galló, em um artigo escrito para o Brazil Journal:
“Os que melhor fizerem a gestão deste momento delicado estarão mais preparados para os novos tempos. Estarão mais eficientes, mais produtivos, mais inovadores e mais rápidos para uma retomada, e para a conquista de uma melhor posição de mercado no futuro.”


“ENGAJAMENTO É A COMUNICAÇÃO EM AÇÃO”

Essa frase é da fundadora da Compreendo Endomarketing e idealizadora da plataforma endomarketing.online, Juliana Rodermel Joaquim, que afirmou durante o seu curso “Fortalecendo a Confiança do Colaborador” que a comunicação agora é mais essencial do que nunca.

Ela divulgou ainda uma pesquisa da Revista VOCÊ/SA, de abril deste ano, em que 52% dos colaboradores ficam estressados quando uma organização apresenta problemas na comunicação. Os resultados disso são: 25% das metas de desempenho não alcançadas e 18% das vendas perdidas.

Clique aqui para acessar o curso.

É bom lembrar ainda que um líder não faz sozinho o seu trabalho. Conta com a sua equipe que faz acontecer com garra quando acredita no propósito da empresa e na organização da qual faz parte. Então, engajamento é a chave para o sucesso.

COMUNICAÇÃO ENGAJA E FORTALECE

O endomarketing estabelece essa relação de confiança entre a empresa e o colaborador, fazendo com que ele se sinta parte de uma grande construção chamada propósito.

Para confiar, o colaborador precisa conhecer a estratégia da empresa e sentir nas veias a cultura da organização. Por isso, a comunicação é tão importante e, durante a crise, mais essencial do que nunca.

Algumas dicas é deixar claro o propósito da empresa, o porquê de fazer isso; os valores, que resumem como uma organização pensa; e a importância que cada um tem para fazer o negócio acontecer.

É por meio do endomarketing que essa conexão é feita entre o que a empresa quer e o que o colaborador espera. Os resultados de uma comunicação bem-feita é um time unido pelo mesmo objetivo, um clima organizacional mais leve e, consequentemente, mais produtivo.


APRENDER COM OS DESAFIOS

Garantir a saúde dos colaboradores, prevenir todos do novo coronavírus, dar continuidade ao negócio e evitar perdas, é o cenário do momento atual e devemos lembrar que somos brasileiros e que estamos enfrentando junto com o mundo essa pandemia.

A hora é de manter a calma, adaptar-se, seguir em frente e aprender com tudo que estamos vivendo. Administradores de todas as empresas estão agindo com responsabilidade, cuidando da saúde de todos e, quem sabe o mais importante, agindo com compaixão para entender que é uma fase difícil, mas que vai passar e nos adaptaremos ao “novo normal”. Compaixão, inclusive, deve ser exercida também pelos empregados com seus colegas e líderes.

Além disso, é preciso pensar na estabilidade do negócio para que quando tudo isso passar, e vai passar, todos possam voltar ainda mais fortalecidos e com o propósito mais claro de união, trabalho em equipe, solidariedade e vitória.

Para chegarmos lá, a confiança em dias melhores deve estar mais presente a cada momento. Lembre-se que o Brasil não vai acabar. Os brasileiros já passaram por outras crises e sobreviveram porque se adaptaram ao novo, mas confiaram que podiam vencer cada obstáculo.

E esse é mais um que será superado e vamos estar juntos quando tudo isso acabar. Teremos novos pensamentos, novas perspectivas, novos negócios. Vamos nos tornar melhores profissionais e seres humanos.

Conheça outros cursos que complementam o que você viu nesse conteúdo:

Clareza e Transparência: clique aqui.

Retomada ao Trabalho: clique aqui.

 

Seis motivos para a sua empresa investir em planejamento agora

Nos últimos meses do ano, as empresas fazem seus balanços finais e o planejamento, algo essencial para a estratégia de negócio. Para alcançar grandes resultados o planejamento estratégico é fundamental.

 

MAS VOCÊ SABE O QUE DEVE TER EM UM PLANEJAMENTO?

É o planejamento que antecipa seus passos e faz você ver com clareza como agir em seus planos de curto, médio e longo prazo. Uma questão muito importante é ressaltar aqui que as estratégias de Endomarketing e Comunicação Interna precisam estar nesse documento e os líderes devem ter atenção neste momento, pois é importante lembrar que seu público interno é a sua ferramenta principal para alcançar seus objetivos. Então, planejar é preciso e esta é a hora.

Conheça seis motivos pelos quais a sua empresa deve investir em um bom planejamento de Endomarketing e Comunicação Interna:

  1. Percepção de público

Quando você planeja, tem a oportunidade de estudar e analisar o seu público. Poderá focar em iniciativas e projetos que conversarão de verdade com os colaboradores. Um bom planejamento é aquele que te torna um encantador de clientes internos.

  1. Plano de ação

Você terá uma visão de negócio ampliada e entenderá quais ações precisam de investimentos imediatos e quais serão executadas em longo prazo. Será possível elaborar um plano tático.

  1. Delegação de tarefas

Definição de quem irá fazer o que. Dessa maneira, o acompanhamento e a avaliação do desempenho de determinada ação fica ainda mais fácil.

  1. Economia de custos

Planejar significa antecipar, prever os possíveis cenários para o futuro. Um bom planejamento de comunicação evita que tudo seja feito de última hora, em cima dos prazos e com orçamentos absurdos.

  1. Avaliação de resultados

Para quem tem um objetivo, o planejamento é essencial. Ao planejar a comunicação, a sua empresa pode determinar que indicadores servirão para medir o sucesso das iniciativas.

  1. Revisão constante

O mais indicado é que as empresas façam um planejamento de comunicação anual, adequando as ações ao direcionamento estratégico de negócios da companhia. Contudo, é comum que novas necessidades apareçam durante o percurso. É preciso estar sempre atento às novas demandas e ter coragem de realizar ajustes no seu planejamento quando for necessário.

 

DICA

Lembre-se de analisar o impacto que o planejamento estratégico trará para a sua empresa, pois é ele que passará a definir e informar todos os outros planos da companhia. O planejamento é um condutor, um mapa, uma bússola ou o que você entender por norteador de decisões da sua equipe. Sem ele, você corre muitos riscos. Pense na sustentabilidade do seu negócio. Tenha um bom planejamento e muito sucesso!

Principais conceitos sobre Endomarketing que você deve conhecer

Cada segmento tem seu próprio vocabulário. É assim com a Medicina, com a Administração e a Engenharia. Não poderia ser diferente com o Endomarketing. Para ajudar você a ficar por dentro de todos os termos que envolvem esse universo, preparamos um glossário com 14 principais termos mais utilizados em nosso negócio. Confira:

 

  1. ABSENTEÍSMO:
  • Palavra originada de
  • Abster: fazer parar, conter, deter, tirar a possibilidade de, privar, impedir. Ainda: privar-se do exercício de algo
  • Na gestão de pessoas, o absenteísmo é um índice utilizado para somar os períodos em que o funcionário permanece ausente do trabalho, por faltas justificadas, injustificadas, atrasos e até por desmotivação.
  1. BRAND MANAGEMENT:
  • Termo que designa a Gestão da Marca, consiste em todo o trabalho de divulgação e consolidação de uma marca no mercado, fidelizando consumidores, público-interno e aumentando o Brand Equity.
  1. BRAND EQUITY:
  • Valor monetário da marca no mercado, é impactado diretamente pela satisfação dos funcionários. Vale lembrar que os funcionários se tornam os maiores defensores de uma marca quando estão felizes e acreditam no trabalho que realizam.
  1. BRANDING:
  • Conjunto de elementos que compõem a identidade visual da empresa como logomarca, logotipos, slogans, nome, frases, ideias, imagens, símbolos etc., geralmente consolidados no Brandbook.
  1. BRANDBOOK:
  • Também conhecido como Manual de Marca, contém as diretrizes para utilização de uma marca e seus elementos visuais em materiais publicitários e institucionais.
  1. BRIEFING
  • Documento oficial das agências, reúne todas as informações necessárias para o desenvolvimento de uma campanha.

    DICA COMPREENDO: Esse é um dos documentos mais importantes do nosso processo, ele contém todos os detalhes repassados pelos clientes para que as campanhas fiquem perfeitas, gerem resultados e felicidade.

  1. COMUNICAÇÃO INTERNA
  • Prática geralmente concentrada na área de Recursos Humanos e realizada por agência especializada, consiste na comunicação da empresa com o funcionário, incluindo notícias institucionais, comunicados internos, informações sobre produtos ou serviços, mudanças operacionais, informações sobre benefícios e muitas outras.
  • A comunicação interna ganhou dimensão estratégica nas empresas modernas, que prezam pelo bem-estar e felicidade dos seus funcionários e têm a transparência e a comunicação como ferramentas para conquistar engajamento e orgulho em pertencer.
  • A comunicação interna contempla a criação de veículos de comunicação específicos para os públicos internos. Jornal mural, revistas para colaboradores, listas de transmissão ou TVs corporativas, são inúmeras as possibilidades de comunicar. O importante é escolher a mais adequada para o público-alvo da informação.
  1. CLIMA ORGANIZACIONAL
  • Ele não é palpável, mas é fundamental para a sustentabilidade do negócio. O clima organizacional é um retrato da felicidade das pessoas, quanto mais positivo ele for, melhores serão os resultados das empresas. A motivação e o relacionamento entre as pessoas impactam diretamente no clima, e manter esses quesitos sempre em alta é um dos objetivos do endomarketing e da comunicação interna.
  1. CULTURA ORGANIZACIONAL
  • Consiste em um arcabouço de elementos que darão clareza sobre missão, visão, valores e propósito das empresas, em que também estão respondidas questões como aonde a empresa quer chegar e qual o impacto que ela quer deixar para a sociedade em que está inserida. Uma cultura organizacional forte e bem comunicada vai engajar os funcionários que se identificam com os propósitos da organização.
  • A cultura organizacional também engloba aspectos sobre rotina organizacional e diretrizes comportamentais dos funcionários. Por isso, vale lembrar que as práticas da empresa, dentro e fora dela, precisam ser coerentes com o discurso e que os líderes são os principais influenciadores das equipes. Por isso, também devem ter comportamentos condizentes com a cultura da organização.
  1. EMPLOYER BRANDING
  • A tradução literal de Employer Branding é marca empregadora. Indo mais a fundo, compreende uma estratégia composta por um conjunto de ações, que incluem a comunicação, realizadas dentro e fora da organização para fortalecer a imagem da empresa como boa empregadora. Como resultados, atração e retenção qualificada de talentos.
  1. ENDOMARKETING
  • Trata-se uma estratégia fundamental para as empresas, que reúne um conjunto de ações de marketing voltadas para o público interno das organizações.
  • O endomarketing tem missão de “vender” a marca da empresa para o público interno, aqui considerados os funcionários, revendedores, acionistas, entre outros, com o objetivo de valorizar a marca enquanto boa empregadora, promover o engajamento e aumentar a produtividade.
  1. ENDOBRANDING
  • Assim como o brandbook, o endobranding traz regras e diretrizes para a aplicação da marca e demais elementos relacionados a ela, mas desta vez voltados para o endomarketing e o público-interno.
  1. JORNAL MURAL
  • Uma das inúmeras ferramentas utilizadas pela Comunicação Interna para divulgar informações institucionais e estratégicas aos colaboradores, de forma mais rápida e objetiva. É uma ótima opção, por exemplo, para empresas com grande quantidade de funcionários, principalmente de áreas operacionais, como metalúrgicas.
  1. RÁDIO-PEÃO

Tipo de comunicação informal realizada entre os funcionários que alimenta fofocas e desinformações dentro da empresa, afetando principalmente o trabalho em equipe e o clima da organização. Eliminar a radio-peão é um dos principais resultados de uma comunicação interna eficiente.

Employee Experience: o que você deve saber?

Empresários, profissionais de RH e gestores estão ouvindo muito as palavras Employee Experience, mas precisam saber também o que é e quais as ferramentas disponíveis para aplicar esse novo conceito.

O Employee Experience é a experiência do colaborador, a jornada dele desde o momento em que ele se interessa por uma vaga em sua empresa até a aposentadoria ou desligamento do mesmo. O Employee Experience tem o objetivo de proporcionar melhora no clima organizacional, atração de profissionais de alta performance e a retenção de talentos.

Para falar sobre as vantagens dessa ferramenta, foi promovido um workshop, ministrado pelo CEO da Pulses, Cesar Nanci, para clientes de todo o Brasil.

Saiba mais logo abaixo.

WORSHOP APRESENTA AS VANTAGENS EM ANALISAR A EXPERIÊNCIA DO COLABORADOR

O Workshop “Employee Experience: a jornada de experiência do colaborador”, promovido pela Compreendo Comunicação, em Jaraguá do Sul, abordou o tema com clientes de todo o Brasil, presencialmente e on-line, com a apresentação de ferramentas para mapeamento e diagnóstico da experiência, cases sobre experiências incríveis vividas pelo colaborador através de ferramentas de Design Thinking e as vantagens desse novo conceito.

O evento foi idealizado para comemorar os nove anos de atuação da agência na área de endomarketing.

O Workshop foi ministrado pelo CEO da Pulses, Cesar Nanci, que falou sobre o ciclo de experiência do colaborador como diferencial competitivo no futuro dos profissionais de RH. “A experiência do colaborador começa no momento em que ele olha o site da empresa e vê um anúncio de vagas e só termina quando ele se torna um ex-colaborador, sai da empresa ou se aposenta. O nosso objetivo foi mostrar a teoria por trás do Employee Experience, um tema extremamente novo, mas que mostra em seus primeiros estudos o impacto da experiência do colaborador no engajamento, no nível de performance da equipe, na inovação e até mesmo no lucro. Aquelas empresas que olham com mais cuidado para o assunto estão à frente daquelas que não levam o tema tão afinco”, falou o CEO.

Cesar Nanci ainda destacou que nos Estados Unidos esse tema foi considerado um dos mais relevantes na área de Recursos Humanos. “Temos que olhar para fora do País e ver que o momento americano vive uma realidade de pleno emprego, onde a briga de talentos está extremamente forte. Esse cenário favorece a criação de startups focadas no recrutamento e seleção para que as empresas recrutem mais rapidamente e sejam mais assertivas. Olhar e analisar a experiência do colaborador vai fazer com que ele fique mais tempo na empresa ou que sempre lembre da organização com carinho.”

O CEO finalizou dizendo que as ferramentas de Employee Experience têm caráter analítico. “Os RHs são muito intuitivos e são bons nisso, mas eles precisam ir além e comprovar a intuição com dados”, falou.

Dez competências para desenvolver agora

É essencial que o profissional compreenda a importância de descobrir e desenvolver as competências que possui e que farão a diferença no ambiente corporativo. Essa não é uma tarefa fácil, mas, quando bem executada, apresenta resultados concretos e duradouros.

A Revista Exame, com base no relatório do Fórum Econômico Mundial, listou as competências que os profissionais precisarão desenvolver até 2020 para que se mantenham ativos e funcionais no mercado de trabalho. O documento ainda afirma que as mudanças são justificadas no contexto da chamada Quarta Revolução Industrial formada pela era da robótica avançada, inteligência artificial, automação no transporte e aprendizagem automática.

Confira as competências que o profissional precisa dominar, segundo o relatório:

Resolução de problemas complexos – O relatório do Fórum Econômico Mundial aponta que 36% das atividades em todos os setores da economia exigirão habilidade para solução de problemas complexos.

Pensamento crítico – O pensamento crítico é o uso da lógica e da racionalização para identificar forças e fraquezas de soluções alternativas, conclusões e abordagens a problemas.

Criatividade – Profissionais criativos terão a oportunidade de se beneficiar em cenários de rápidas transformações em produtos, tecnologias e modos de trabalho.

Gestão de pessoas – A capacidade de motivar, desenvolver pessoas e de identificar talentos é a parte da função de um gestor mais destacada pelo relatório.

Coordenação – Aspectos ligados à colaboração e à facilitação de processos são as principais qualidades que especialistas apostam como obrigatórias nos gestores do futuro.

Inteligência Emocional – A gestão adequada das emoções é uma habilidade que pode fazer profissionais passarem pela crise com mais serenidade e sem perder o “espírito de luta”.

Capacidade de julgamento e de tomada de decisão – profissionais hábeis em analisar dados e tomar decisões se destacam no mercado de trabalho e tendem a ser ainda mais valorizados até 2020.

Orientação para servir – ainda é vista como uma competência indispensável ao trabalho em equipe.

Negociação – Relacionar-se com pessoas é um constante negociar. Por isso, habilidades de negociação e conciliação de diferenças são importantes para todos os profissionais.

Flexibilidade cognitiva – é a capacidade de desenvolver ou usar diferentes conjuntos de regras para combinar as coisas de diferentes maneiras. Os setores que mais vão exigir essa capacidade são bens de consumo, comunicação e tecnologia da informação.

© Your Copyright Text